1a.) Uma negação prática da suficiência das Escrituras

posted in: As Dez Acusações | 0
Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Além de tudo que o irmão Paul Washer mencionou, ainda existem muitos lugares onde o pastor;  o  papa; a  igreja;  tradições ou concílios de igreja; sentimentos subjetivos  estão a cima ou em pé de igualdade com as Escrituras.

O termo Sola Scriptura (Só a Escritura) foi utilizado pelos reformadores para expressar que a Bíblia é a única autoridade infalível e suprema — não o papa, nem a igreja, nem tradições ou concílios de igreja, muito menos sentimentos subjetivos — mas tão-somente a Escritura. Ou seja,  mesmo que essas outras fontes de autoridade tenham sua utilidade em certos casos, apenas a Escritura é definitiva, infalível e suprema.

Fiquemos em alerta, quando reinterpretarmos a Bíblia para ajustar às noções modernas da realidade, e quando ignoramos seus ensinos com base em supostas revelações ou direcionamentos divinos particulares, negamos a sola Scriptura.

Related Post

Comentários