O Amor a Deus e ao Próximo

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

O amor a Deus e ao próximo está ficando em segundo plano. O que está acontecendo? Será que é possível amar como Cristo amou???

 

O SISTEMA DO MUNDO

J. B. Philips traduziu I Jo 2.15-17 da seguinte forma: “…todo o sistema do mundo, fundamentado como está nos desejos humanos, nas ambições invejosas e no fascínio de tudo aquilo que acham maravilhoso, não vem absolutamente do Pai, mas sim do próprio mundo…”. Esse sistema tem conquistado a vida de muitos “crentes”. Estão amando mais ao mundo e no que há nele do que a Deus e ao próximo.

A amizade com o mundo está mais evidente, a cada dia, em muitas igrejas. Lembremos da orientação bíblica: “Não estais cientes de que a amizade do mundo é inimizade contra Deus? Portanto, qualquer que quiser ser amigo do mundo constitui-se inimigo de Deus” (Tg 4.4). O sistema do mundo não agrada a Deus e está fundamentado em três pilares:

a) desejos humanos ou paixões carnais;
b) ambições invejosas ou cobiça dos olhos, e
c) fascinação ou ostentação dos bens.

A conseqüência disso é o fortalecimento do egoísmo e do egocentrismo. Nesse cenário, a motivação para amar o próximo desaparece. Sem motivação, não existe a aplicação desse amor. Para os salvos, essa situação reflete a falta de uma comunhão maior com Deus. Quando não estamos em comunhão ou fracos na fé produzimos frutos ruins (Mt 7:20). Quanto maior for a nossa comunhão com Deus, mais o seu amor transbordará em nossas vidas, nos movendo a exercitá-lo. Se sua comunhão está fraca ou está sem comunhão, não desanime. Arrependa-se dos seus pecados, deixe-os de lado e fortaleça-se em Cristo. Busque a santificação. Ore mais a Deus.

 

O AMOR BÍBLICO

É importante conhecermos suas características:

a) É divino: Em Romanos 5:5 diz: “…o amor de Deus está derramado em nossos corações pelo Espírito Santo que nos foi dado”. Esse amor é derramado no coração do salvo. Não pode ser produzido ou imitado com sucesso pelo ser humano.

b) É missionário: (Jo 3:16; Hb 2:9; 1 Jo 2:2) Não há limites. Lewis Chafer chama-o de “espírito missionário”. Pois existe um interesse pela humanidade perdida. Este amor será imediatamente realizado no coração do salvo que estiver em comunhão com Deus. O salvo é impulsionado através do amor a levar o evangelho aos lugares mais inóspitos da terra.

c) Aborrece o sistema do mundo: “Não ameis o mundo, nem o que no mundo há. Se alguém ama o mundo, o amor do Pai não está nele. Porque tudo o que há no mundo, a concupiscência da carne, a concupiscência dos olhos e a soberba da vida, não é do Pai, mas do mundo” (1 Jo 2:15-16). O sentimento de purificação faz parte da vida do salvo. Este sentimento faz oposição ao sistema do mundo.

d) Alcança a todos indistintamente: Em Mateus 13:24-58 Jesus diz que o mundo é semelhante a um campo. Se você tivesse uma plantação de trigo, com certeza teria nesse campo muito joio. Mas, mesmo assim você não deixaria de regar o campo, pois os trigos precisam crescer e serem salvos da morte. Esse amor é semelhante à água que irriga o campo. Mesmo existindo os não-eleitos (joio), o amor de Deus é derramado sobre o mundo.

e) É sacrificial: “Porque Deus amou o mundo de tal maneira que deu o seu Filho unigênito, para que todo aquele que nele crê não pereça, mas tenha a vida eterna” (Jo 3:16). A ira de Deus era sobre nós, mas Jesus morreu na cruz em nosso lugar.

Quando estamos em comunhão com Deus, este amor transborda em nós e então temos: gozo, paz, longanimidade, benignidade, bondade, fé, mansidão e temperança (Gl 5:22). Como conseqüência, amamos a Deus e somos impulsionados a colocar em prática esse amor. Nós amamos a Deus, porque Ele nos amou primeiro (1 Jo 4:19). “Aquele que não ama não conhece a Deus; porque Deus é amor.” (1 Jo 4:8).

 

CONCLUSÃO

Podemos perceber que a palavra amor está BANALIZADA! Deus nos amou sem que tivéssemos algum merecimento. Nada podemos fazer para termos direito a sua misericórdia e a salvação. É por isso que o amor divino é mais do que uma escolha. É a sua essência. Até mesmo na sua ira, Deus é amor. Ele não pode e nem consegue fazer nada sem amor.

Onde está o amor? No Shopping Center, roupas, moda, no dinheiro, nos costumes de uma vida religiosa, na vaidade, na mentira, na prostituição, na prática homossexual, na inveja, no ódio, na hipocrisia, nas heresias, nas coisas fúteis da vida, NO EU? O que está sendo ensinado aos filhos? “Papai quero um tênis novo, tem que ser o que está na moda, o mais caro!” Não estou dizendo que não devemos dar o melhor. O problema está na forma como pensamos e cremos, porque isso influencia a nossa vida e os que estão ao nosso redor. “O homem bom tira boas coisas do bom tesouro do seu coração, e o homem mau do mau tesouro tira coisas más” (Mt 12:35).

Deus está sendo glorificado através das nossas atitudes? Só podemos ensinar o que aprendemos. Só podemos dar o que possuímos. Se não estamos aprendendo o verdadeiro amor, não poderemos dá-lo e nem ensiná-lo. A Palavra de Deus diz que “do que há em abundância no coração, disso fala a boca”(Mt 12:34). Nossas atitudes e motivações refletem o que somos.

Amados, se verdadeiramente somos salvos, o mesmo amor que nos amou também fluirá através de nós. Quando isso acontece somos motivados a ter misericórdia dos outros. Deus nos amou independente de nossos sentimentos ou atitudes, ele nos amou porque ele é misericordioso. Somos salvos? Então essa misericórdia tem que fluir em nossa vida. O resultado disso é a prática. Se não praticamos o que pregamos, somos mentirosos.

Pratiquemos esse amor. Sejamos solidários ao próximo, colocando em prática o amor de Deus. Jesus deu sua vida por nós, temos que dar a nossa por ele e pelos outros (Lc 9:24; 1 Jo 3:11). “Sede cumpridores da palavra, e não somente ouvintes, enganando-vos com falsos discursos. Porque, se alguém é ouvinte da palavra, e não cumpridor, é semelhante ao homem que contempla ao espelho o seu rosto natural;” (1 Tg 1:22). “Porque esta é a mensagem que ouvistes desde o princípio: que nos amemos uns aos outros. Não amemos de palavra, nem de língua, mas por obra e em verdade.” (1 Jo 3:11;18). ISSO É AMOR.

 

Notas: 


1. CHAFER, Lewis S. Teologia Sistemática. São Paulo: HAGNOS, 2003.

2. FERREIRA, B. H. Aurélio. Mini Dicionário Aurélio. São Paulo: POSITIVO,2009.

3. PHILIPS, J. B. Cartas para Hoje. São Paulo: Ed. Vida Nova, 1994.


Comentários