O Preço da Negligência na Família

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

O casamento, que é o alicerce da estrutura familiar, só existe entre um homem e uma mulher (Gn 1:27). O rei Davi teve muitos problemas por não valorizar o casamento e sua família. Precisamos ficar em alerta! Como a Bíblia Sagrada pode nos ajudar a não cometer os mesmos erros de Davi?

Davi foi um grande rei, porém um pai ausente. Os assuntos do reino consumiam todo o seu tempo, capacidade e energia. O que aconteceu com Davi é o mesmo que acontece com muitas famílias. Hoje em dia, o pai e/ou a mãe dedicam-se tanto a vida profissional que acabam se descuidando da assistência ao lar. Essa falta causa consequências ruins: sentimento de solidão do cônjuge e dos filhos; falta de autoridade dos pais; os filhos crescem sem uma referência, passam a ser educados pelos outros e pela televisão; traições; divórcio; enfim, uma família desestruturada surge, e em questão de tempo já não existe mais.



1. A ausência dos pais

O lar torna-se “desconhecido” para os pais. A partir daí não é possível perceber como os filhos estão crescendo e o que estão aprendendo. Quando um dos cônjuges é ausente, o outro sente-se abandonado, desprezado e mais vulnerável as tentações. Os filhos, então, são os que mais sofrem com essa situação. Problemas gravíssimos acontecem, como a falta de respeito entre os pais, brigas de casal geralmente violentas, filhos fogem dessa situação procurando drogas,… o divórcio é questão de tempo.

Infelizmente, essa ausência e suas consequências também ocorre nas famílias cristãs, inclusive dos obreiros. Alguns se envolvem tanto com o ministério que acabam colocando a família em segundo plano. A “desculpa” mais comum é que a obra de Deus é prioridade e que é necessário sacrificar a família por causa do ministério.

Isso é mentira e blasfêmia! A vontade de Deus é perfeita. Não é necessário violar a vontade de Deus no que diz respeito à família, a fim de cumprir a vontade de Deus no que diz respeito ao ministério. Existem muitas famílias de líderes sendo destruídas (esposas abandonadas, filhos desprezados, esposas que nunca acompanham o marido, divórcios, etc…) por causa do “pequeno reinado” deles aqui na terra, que eles consideram mais importante do que a própria família. Assim diz a Palavra do Senhor: Porque, se alguém não sabe governar a sua própria casa, terá cuidado da igreja de Deus? (1Tm 3:5). Se você encontra-se nessa situação, arrependa-se do seu pecado. Volte-se para Deus, volte para sua família, talvez ainda haja tempo! Não desista da sua família.




2. A negligência no relacionamento conjugal

Muitas vez por causa do trabalho secular e/ou ministerial, os maridos e as esposas têm deixado de exercerem suas funções dentro do casamento. Uma das conseqüências é o desastre, prejuízo, falência, depressão… toda a família é impactada gerando um desconforto geral.Assim diz a Palavra do Senhor: O homem deve cumprir o seu dever como marido, e a mulher também deve cumprir o seu dever como esposa. A esposa não manda no seu próprio corpo; quem manda é o seu marido. Assim também o marido não manda no seu próprio corpo; quem manda é a sua esposa. Que os dois não se neguem um ao outro, a não ser que concordem em não ter relações por algum tempo a fim de se dedicar à oração. Mas depois devem voltar a ter relações, a fim de não caírem nas tentações de Satanás por não poderem se dominar (1Co 7:3-5). Muito tempo sem relações conjugais tornam o casal mais vulnerável as tentações e com isso o risco de traições é maior.

Lembremos da ordem de Deus: Vós, maridos, amai vossas mulheres, como também Cristo amou a igreja, e a si mesmo se entregou por ela (Ef 5:25). As mulheres idosas, semelhantemente, que sejam sérias no seu viver, como convém a santas, não caluniadoras, não dadas a muito vinho, mestras no bem. Para que ensinem as mulheres novas a serem prudentes, a amarem seus maridos, a amarem seus filhos. A serem moderadas, castas, boas donas de casa, sujeitas a seus maridos, a fim de que a palavra de Deus não seja blasfemada. (Tt 2:3-5)




3. A negligência na educação dos filhos

A educação dos filhos, também tem sido negligenciada. É de responsabilidade do pai e da mãe. Não é só do pai, e nem só da mãe! No entanto, hoje muitos estão fugindo dessa responsabilidade. Estão delegando isso para as escolas, igrejas e para o estado. Essa situação tem causado a degradação de muitas famílias, pois os filhos passam a ser educados fora de casa, sem o controle dos pais. Vejamos o que o Senhor disse sobre a autoridade de Abraão na educação dos filhos: Eu o escolhi para que ele mande que os seus filhos e os seus descendentes obedeçam aos meus ensinamentos e façam o que é correto e justo…. (Gn 18:19). Por tanto, amados, os pais tem a responsabilidade e a autoridade para educarem os próprios filhos.

Além da disciplina, precisamos educar nossos filhos na Palavra de Deus. Porque ela é viva e eficaz, e mais penetrante do que espada alguma de dois gumes, e penetra até à divisão da alma e do espírito, e das juntas e medulas, e é apta para discernir os pensamentos e intenções do coração. Toda a Escritura é divinamente inspirada, e proveitosa para ensinar, para redargüir, para corrigir, para instruir em justiça (Hb 4:12; 2Tm 3:16). Deus nos avisa da importância disso: Educa a criança no caminho em que deve andar; e até quando envelhecer não se desviará dele (Pv 22:6).A forma mais eficaz de educarmos os filhos é quando somos exemplo para a nossa família. Meditemos na lei do Senhor, de dia e de noite. Se os pais dão importância à Palavra de Deus e praticam-na, a tendência é que os filhos façam o mesmo.

Precisamos educar nossa família nos seguintes princípios fundamentais:

1) (Dt 6:1-9) – Guardemos e pratiquemos os mandamentos de Deus. Fazendo isso, estaremos amando a Deus em primeiro lugar. E como consequência disso, nossa família estará bem com Deus e será próspera das benção do Senhor. Meditando diariamente nos seus ensinamentos.

2) (Dt 6:10-14) – Nada do que temos é nosso, é do Senhor. Devemos ensinar nossa família utilizar os bens materiais com sabedoria e para a Glória de Deus.




4. A importância da disciplina dos filhos

Amnom, o filho de Davi com Ainoã, era o filho mais velho. Este estuprou sua meia irmã Tamar (filha de Davi com Maaca). Foi um crime hediondo, horrível e não aprovado por Deus. Davi ficou irado com Amnom (2Sm 13:21), mas as escrituras não falam nada sobre uma possível disciplina do filho. Não existindo uma correção para os erros dos filhos, estes tendem a achar que não há nada que não possam fazer. Amnom foi um exemplo disso!

Como Davi não corrigiu Amnom, então Absalão (irmão pleno de Tamar) enviou os seus servos para matar Amnom em uma festa à qual ele convidou todos os filhos do rei (2Sm 13:28). A falta de responsabilidade de Davi gerou impunidade. Essa impunidade gerou revolta em Absalão que esperou dois anos para fazer justiça com as próprias mãos. Quando disciplinamos nossos filhos, demonstramos o nosso amor por eles (Pv 13:24). A insensatez está ligada ao coração dos mais jovens e a disciplina os livrará dela(Pv 22:15). Não evitemos disciplinar nossos filhos (Pv 23:13-14). Com a correção eles terão sabedoria, darão paz e grande alegria aos pais. (Pv 29:15-17). Por tudo isso, precisamos entender que a disciplina é necessária. Fazendo assim, temos mais esperança (Pv 19:18) de que eles aprendam a fugir das amizades erradas, vergonha, das drogas,… e da morte.




Conclusão

Amados, não podemos ser negligentes. O casamento e a família são bençãos de Deus para as nossas vidas! Maridos, vamos valorizar mais o casamento, a família. Davi era um pai muito ocupado com o seu reinado e por isso não tinha tempo suficiente para sua casa. Outro fator complicador é que Davi possuía várias esposas (apesar de Deus nunca aprovar tal situação) o que definitivamente prejudicava sua relação com seus filhos. Ele também negligenciou na educação dos filhos. Como consequência toda sua casa foi prejudicada. Evitemos os erros de Davi. Esposas, da mesma forma, valorizem mais seu casamento e família. Vamos dar mais atenção a nossa família. Fujamos do adultério, poligamia e da negligência, que não trazem benefícios e são pecados aos olhos de Deus. Precisamos instruir nosso filhos na Palavra do Senhor, educando-os no caminho em que devem andar e quando ficarem mais velhos não se desviarão dos ensinamentos dos pais.

Devido ao mundo agitado que vivemos, temos a tendência de queremos trabalhar mais do que passar o tempo com a família. Se você está colocando o trabalho, seja ele secular ou ministerial, na frente ou no lugar da sua família, essa é a hora de mudar tal situação. Pare! Quando valorizamos nossa família, demonstramos que valorizamos os ensinamentos do Senhor. Fazendo isso, damos testemunho da nossa salvação e que realmente somos obedientes a Deus, a sua Palavra e que O amamos em primeiro lugar.

Notas: 


Bíblia da Família – SBB

Kemp, Jaime. Antes de Dizer Sim. Editora Mundo Cristão

Paul Washer. Décima acusação

 

Related Post

Comentários