O que faremos agora???

posted in: Reflexões em Atos | 0
Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

Pedro faz uma pregação expositiva e de forma sobrenatural, como nenhum rabino ou mestre poderia fazer. Ele interpreta as Escrituras e encontra Cristo nelas.

Naquela época eles só tinham o “Tanakh”; o antigo testamento judeu, diferente um pouco do nosso na disposição e nome dos livros, porém com o mesmo conteúdo.

Ele cita os Salmos 16 e 110, mostrrando a todos que Cristo está lá como o Filho Unigênito dado por Deus ao mundo caído para salvação daqueles que cressem Nele. Ele demonstra claramente àquelas pessoas o crime que elas cometeram ao assassinar Jesus Cristo na cruz do calvário.

As escamas dos olhos deles foram retiradas e às trevas seguiu-se a luz para aqueles que ouviram o chamado de Deus.

O grande destaque dessa passagem foi a “Maravilhosa Graça de Deus no Evangelismo”.

É maravilhoso observar como Deus foi revelando paulatinamente “o mistério que esteve oculto durante os séculos” de forma bem clara a Pedro, enquanto ele ia abrindo a boca. Deus foi mostrando a sua soberania e o seu plano perfeito para a salvação da humanidade. Ficou clara que a morte de Cristo era a mais pura vontade de Deus.

Sua intenção não era criminalizar aquelas pessoas e sim mostrar tanto o plano de salvação como a insanidade e cegueira do povo.

A maioria daquela multidão tinha participado da crucificação de Jesus. Nos versículos 22 e 23, Pedro deixa isso bem claro: “Varões israelitas, atendei a estas palavras: Jesus, o Nazareno, varão aprovado por Deus diante de vós com milagres, prodígios e sinais, os quais o próprio Deus realizou por intermédio dele entre vós, como vós mesmos sabeis; sendo este entregue pelo determinado desígnio e presciência de Deus, vós o matastes, crucificando-o por mãos de iníquos”. (At 2.22-23).

Vamos pensar um pouquinho sobre tudo isso: como pode, alguém que ajudou a assassinar outra pessoa, em sã consciência, depois de aproximadamente 60 dias, por causa do discurso de um pescador, passar a crer que o assassinado era o Filho de Deus? O Messias tão profetizado em todos os livros das Escrituras? E, mais ainda, acreditar que o defunto ressuscitou dos mortos e está vivo e assentado à direita de Deus?

Não há no mundo alguém com tal poder de persuasão. Só mesmo o Espírito de Deus pode convencer o homem do pecado, da justiça e do juízo. Essa é uma obra sobrenatural. O novo nascimento só o Espírito pode fazer. A ciência humana jamais alcançará tal façanha. 

Finalmente aquelas pessoas puderam perceber a idiotice que fizeram. Humilharam, desprezaram, zombaram e mataram o Filho de Deus. Nada poderia ser pior…

O arrependimento tomou conta delas. Afinal de contas, “novas criaturas” nasceram naquele momento. É possível imaginar uma parte daquela multidão com os olhos marejados de lágrimas, com as mãos na cabeça, desesperados, tentando encontrar um modo de alcançar o perdão de Deus.

Poderia Deus perdoar os assassinos de seu Filho? Essa gente que preferiu libertar marginais e crucificar Cristo? Que pediu para que seu sangue caísse sobre eles e sobre seus filhos? Eles devem ter sentido uma sensação terrível diante de Deus e de suas próprias consciências.

Mas Deus prova seu próprio amor para conosco, pelo fato de ter Cristo morrido por nós, sendo nós ainda pecadores. (Rm 5.8)

É por isso que o apóstolo João afirma que “Deus é amor”. Somente o amor de Deus poderia perdoá-los. Somente a “Maravilhosa Graça de Deus” que lança os pecados dos homens no mar do esquecimento poderia alcançá-los.

Percebeu como Deus é simplesmente Maravilhoso? Como o seu amor incondicional é inexplicável? Quando somos alcançados por Ele, o Seu amor nos constrange.

O resultado disso tudo foi algo jamais visto antes. Três mil almas completamente arrependidas fazendo uma simples pergunta: O que faremos agora?

A resposta de Pedro foi a única possível naquele momento: “Arrependei-vos, e cada um de vós seja batizado em nome de Jesus Cristo, para remissão de vossos pecados; e recebereis o dom do Espírito Santo …Com muitas outras palavras deu testemunho e exortava-os, dizendo: Salvai-vos desta geração perversa.” (Atos 2:38,40).

Existe uma mensagem mais atual do que essa? Arrepender-se; reconhecer Jesus Cristo como Deus e Senhor; ser guiado pelo Espírito Santo e distanciar-se desta geração má. Isso é tudo pessoal!!!

Se você ainda não se arrependeu, este é o momento! Se ainda não é batizado, a hora é agora! Se está tentando controlar a própria vida, desista e deixe o vento do Espírito levá-lo para onde Ele quer!

Se você já fez tudo isso e hoje encontra-se desanimado ou até mesmo fora do caminho, o conselho de Pedro é bem claro: saia do meio dessa gente má!

Uma das consequencias do mundo globalizado é que de uma hora para outra somos envolvidos em batalhas que nem sabíamos que existiam.

Somos engolidos pela mídia e pelos formadores de opinião. Embora o discurso deles seja contra a intolerância e o preconceito, e a favor da diversidade e inclusão, perdemos o direito de discordar. Ou você é a favor ou não tem opinião sobre o assunto, mas simpatiza com a ideia; caso contrário é um retrógrado, ignorante ou coisas piores.

Diga não a tudo isso. Seja autêntico. Se você pertence a Cristo, saiba que você pertence à Verdade. Negue-se a viver ou concordar com a mentira do deus deste século. Sabemos que as pessoas estão cegas e com a mente cauterizada; ou seja; a mente congelou, paralisou, a ponto de não permitir que a pessoa tenha raciocínio próprio, como se estivesse drogada, portanto, as pessoas não conseguem pensar corretamente.

Se você está no meio desse furacão, pare agora! Ouça a voz do anjo apocalíptico dizendo: “Sai dela, povo meu, para que não sejas participante dos seus pecados, e para que não incorras nas suas pragas”. (Ap 18:4).

Esse é o conselho de Deus para todos nós. Ele já nos abençoou com “todas as bençãos espirituais” e espera de nós que no final possamos dizer como o apóstolo Paulo: combati o bom combate, terminei a corrida, guardei a fé” (2Tm 4:1-7).

Para nós fica a pergunta: o que faremos agora???

Até a próxima!!!

Deus o abençoe!!!

 

Notas

1. J. Williams, David. Atos, Novo Comentário Bíblico Contemporâneo. São Paulo: Editora Vida, 1985.

2. Keenr Criag, S. Comentário Bíblico Atos – Novo Testamento. Belo Hoirizonte: Editora Atos, 2004.

 

Related Post

Comentários