Quando Deus nos obriga a mudar…

Compartilhe...Share on FacebookShare on Google+Tweet about this on TwitterShare on LinkedInPin on PinterestEmail this to someonePrint this page

E Saulo assolava a igreja, entrando pelas casas; e, arrastando homens e mulheres, os encerrava na prisão.” At 8.3

 

A morte mexe com qualquer pessoa. Nada é mais cruel e definitivo do que ela. É o fim, o extremo, o cúmulo da separação.

Eu mesmo já perdi pai, mãe, irmão, tios e primos. Mesmo com todas as minhas perdas anteriores, nunca me acostumei com a morte. Sofri novamente a pancada: perdi minha sogra recentemente.

O início do capítulo VIII de Atos começa nos falando da morte de Estevão. Uma coisa terrível.

A morte tem uma consequência clara: ela sempre encerra um ciclo. Foi isso que aconteceu com o martírio de Estevão.

Vamos relembrar: os cristãos faziam tudo junto: refeições, passeios, negócios, dividiam seus bens e até suas casas. Era uma vida agradável, sentiam-se felizes, seguros e confortáveis em Jerusalém. Viam milagres constantemente e eram defendidos pelo povo.

Quando sairiam de lá???    Possivelmente nunca. Não havia motivos para sair. A igreja crescia em cada esquina de Jerusalém. Se continuassem daquela forma, provavelmente vários bairros de Jerusalém tornar-se-iam cristãos. Maravilhoso não??? Uma verdadeira zona de conforto.

Após a morte de Estevão, tudo muda para muito pior. O mais cruel dos fariseus levanta-se contra a igreja. Saulo de Tarso, extremamente zeloso, cruel e sanguinário, organiza uma verdadeira cruzada contra a “nova seita”, com o objetivo de acabar de vez com “aqueles loucos”

A igreja, que tinha caído nas graças do povo, se viu diante da intolerância religiosa da época. Essa intolerância atingiu graus elevadíssimos a tal ponto, que os cristãos passaram a ser caçados.

Alguns estudiosos entendem que os cristãos helenistas foram o principal alvo, por estarem diretamente ligados à Estevão. Talvez isso explique porque os apóstolos não foram atingidos imediatamente.

Qualquer ser humano normal imaginaria que aqueles eram os derradeiros dias da igreja. Os judeus se viraram contra tudo o que tivesse o nome ou o cheiro de Cristo.

Mas, porque então a igreja não acaba aí??? Parece-me que por dois motivos principais:

1º) Porque era a vontade de Deus que a igreja se expandisse além de Jerusalém.

A ordem de Cristo era que a  igreja fosse “até Judéia e Samaria e até aos confins da terra”. At 1.8. Se entendermos que a igreja estava desobedecendo a vontade de Deus, parece-nos que o Todo-poderoso agiu da mesma forma já conhecida no antigo testamento, quando a nação de Israel desobedecia. Perseguição e morte passaram a fazer parte da rotina daqueles que se converteram a Cristo. Os cristãos foram dispersos. Atônitos, iam por toda parte.

Se fizermos uma leitura superficial não perceberemos o real sofrimento que se seguiu à morte de Estevão. Famílias foram desmembradas. Pais separados de filhos, esposas de maridos. Pessoas sendo arrastadas pelas ruas, jogadas na prisão sem nenhum tipo de julgamento.

Porque??? Por causa de uma suposta verdade, da qual os judeus consideravam-se proprietários. Uma das coisas mais perigosas do mundo é a “verdade”. Ela pertence aos grupos dominantes. Quem estiver no poder, no comando das coisas, estará com ela. A partir dela surge a arrogância e a intolerância. Não interessa o assunto: pode ser teologia, política, futebol, etc…

Quando alguém acha que detém a verdade, torna-se perigoso. A verdade pode gerar violência. É o que temos visto diante de atentados terroristas em nome de uma verdade.                                                                 

Cristo sabia disso quando afirmou: “Eu sou o caminho, e a verdade e a vida; ninguém vem ao Pai, senão por mim.” Jo 14:6. Depois da sua morte, seria travada uma  guerra interminável sobre Ele, a verdade, a existência de Deus, o modo correto de se viver, etc…

As religiões tornar-se-iam o ponto nevrálgico de um mundo de incertezas universais e verdades individuais.

Por isso, ele prometeu que não deixaria os seus seguidores órfãos e cheios de dúvidas, mas plantaria a verdade neles: “E eu rogarei ao Pai, e ele vos dará outro Consolador, para que fique convosco para sempre; o Espírito de verdade, que o mundo não pode receber, porque não o vê nem o conhece; mas vós o conheceis, porque habita convosco, e estará em vós.” João 14:17

Ele já tinha avisado aos seus discípulos que: “Não cuideis que vim trazer a paz à terra; não vim trazer paz, mas espada; porque eu vim pôr em dissensão o homem contra seu pai, e a filha contra sua mãe, e a nora contra sua sogra; e assim os inimigos do homem serão os seus familiares. quem ama o pai ou a mãe mais do que a mim não é digno de mim; e quem ama o filho ou a filha mais do que a mim não é digno de mim. e quem não toma a sua cruz, e não segue após mim, não é digno de mim. quem achar a sua vida perdê-la-á; e quem perder a sua vida, por amor de mim, achá-la-á.” Mt 10:34-39

2º) Porque a igreja é cada um de nós. Cristo garantiu não somente que estaria conosco através de Seu Espírito, mas foi além: Se alguém me ama, guardará a minha palavra, e meu Pai o amará, e viremos para ele, e faremos nele morada.” João 14:23

A certeza de que não estavam sós,  de que a Verdade estava plantada em suas mentes e corações fez com que “os que andavam dispersos anunciassem a palavra por toda a parte” Atos 8:4. Eles foram revestidos de um poder indestrutível. Uma vontade irresistível de seguir adiante com aquela suposta “loucura”. Veja as palavras do apóstolo Paulo tempos depois:

“Visto como na sabedoria de Deus o mundo não conheceu a Deus pela sua sabedoria, aprouve a Deus salvar os crentes pela loucura da pregação. Porque os judeus pedem sinal, e os gregos buscam sabedoria; Mas nós pregamos a Cristo crucificado, que é escândalo para os judeus, e loucura para os gregos. Mas para os que são chamados, tanto judeus como gregos, lhes pregamos a Cristo, poder de Deus, e sabedoria de Deus. Porque a loucura de Deus é mais sábia do que os homens; e a fraqueza de Deus é mais forte do que os homens.” 1 Cor 1:21-25

A partir daquele momento, onde estivesse um cristão, estaria uma igreja. Cada gota de sangue que caía no chão era mais um cristão convertido nos arredores de Jerusalém, Judéia e Samaria. Os confins da terra viriam depois.  

Mais uma vez somos surpresos com o “modus operandi” Divino, ou seja, o jeito de Deus fazer as coisas.

Quando parece que tudo está perdido, acabado, de repente, o improvável acontece. É por isso que tudo o que tem a ver com cristianismo é pela fé…

Diante de Deus, a morte não é o fim. É apenas um novo começo. Uma mudança de rumo.

“Porque está escrito: Destruirei a sabedoria dos sábios, E aniquilarei a inteligência dos inteligentes. Onde está o sábio? Onde está o escriba? Onde está o inquiridor deste século? Porventura não tornou Deus louca a sabedoria deste mundo?” 1 Cor 1:19,20

Existem mais algumas verdades a serem extraídas desses nos primeiros versículos do capítulo 8 do livro de Atos. Uma delas é sobre a felicidade.

Parece que para nós cristãos, a zona de conforto é muito longe dessa terra. Não fomos criados para sermos felizes como mortais, nem temos o direito de procurar essa tal felicidade como a sociedade a procura, de forma individualista e egoísta. Como afirma o Catecismo Maior de Westminster, “o fim supremo e principal do homem e glorificar a Deus e alegrar-se Nele para sempre.”

Não encontraremos a felicidade se a buscarmos como um fi em si mesma, seja da forma filosófica ou como ensina o senso comum. Somos diferentes. Nossa alegria e felicidade estão em Jesus Cristo que nos leva ao pai. Não vivemos para nós mesmos.    

Através das tribulações e da morte, Deus muda a direção da nossa vida, abrindo outras possibilidades, nos fazendo enxergar e pensar diferente.  Nos incomodando para que saiamos da nossa posição confortável.

Me despeço, deixando aqui a certeza do cuidado e consolo de Deus para conosco:

“Bendito seja o Deus e Pai de nosso Senhor Jesus Cristo, o Pai de misericórdias e Deus de todo o conforto, que nos conforta em toda a nossa tribulação, para podermos confortar aqueles que se acham em qualquer tribulação, pelo conforto com que nós mesmos somos confortados por Deus.” 2 Cor 1:3,4. “Deus é fiel, o qual não permitirá que sejais tentados além das vossas forças, mas também com a tentação proverá o meio de saída para poderdes suportá-la.” 1 Cor 10:13

Pense nisso!!!

 

Até a próxima!!!

 

Deus o abençoe!!!                                                                                                               

 

Elias Silvio

 

Notas

 

  1. J. Williams, David. Atos, Novo Comentário Bíblico Contemporâneo. São Paulo: Editora Vida, 1985.

 

  1. H. Gundry Robert. Panorama do Novo Testamento. São Paulo: Edições Vida Nova, 1978.

3. Craig S. Keener. Comentário Bíblico Atos, Novo Testamento. São Paulo: Editora Atos, 2004.

Related Post

Comentários